O guru ideológico do Maio de 68

Na revolução do Maio de 68, um dos seus principais líderes estudantis (Daniel Cohn-Bendit) revelava que os contestatários tinham quase todos lido as obras de Sartre. Para entender o Maio de 68, precisamos conhecer o seu guru ideológico, Jean-Paul Sartre. Convido-o também a ler no fim deste artigo uma história inédita da revolução, contada por uma testemunha presencial... hoje, sacerdote da Igreja Católica.

A introdução da utopia marxista em certas teologias políticas

Para discernirmos as utopias marxistas na Igreja, precisamos conhecer na História da Filosofia os ideólogos e as suas propostas para infiltrar o materialismo histórico e dialético na teologia, transformando-a num agente de transformação social, minando-a interiormente e matando simultaneamente e aos poucos o Cristianismo. Sem a leitura deste artigo, talvez não compreenda a teologia da libertação e muitas das lutas e atuais dificuldades da Igreja.

Hannah Arendt, tão atual como os totalitarismos entre outros ismos

Hannah Arendt (1906-1975+) foi uma das maiores críticas dos regimes totalitários do Séc. XX, da generalizada falta de liberdade, inclusive religiosa, revelando-se fortemente contrária à privatização das religiões. Está provavelmente entre os filósofos políticos mais estudados do século passado.[1] As suas temáticas parecem de carácter conservador e tradicional para os dias de hoje, embora outrora... Continue Reading →

Políticos de verdade e não artistas da falsidade

Recentemente, assistia a um experimentado comentarista televisivo que se queixava da grande visibilidade dada a certa  personagem política extremista, transparecendo um favorecimento e parcialidade da maioria dos repórteres na visibilidade que lhe era dada, notando que a um “ai” da dita pessoa, os microfones e as atenções viravam-se logo para ela.[1] Como uma cassete, a... Continue Reading →

Anestesiando a pessoa, é mais fácil matar

Deus, na unidade e variedade com que criou todas as coisas, por um ato de bondade, por amor, fez os homens à sua imagem e semelhança (Gn 1, 26), e deu-lhes o mandato de crescerem e multiplicarem-se (Gn 1, 28), conferindo-lhes assim uma altíssima dignidade e responsabilidade. À semelhança do amor Trinitário, que gera o... Continue Reading →

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑