Hannah Arendt, tão atual como os totalitarismos entre outros ismos

Hannah ArendtHannah Arendt (1906-1975+) foi uma das maiores críticas dos regimes totalitários do Séc. XX, da generalizada falta de liberdade, inclusive religiosa, revelando-se fortemente contrária à privatização das religiões. Está provavelmente entre os filósofos políticos mais estudados do século passado.[1] As suas temáticas parecem de carácter conservador e tradicional para os dias de hoje, embora outrora recebesse outros rótulos que revelam o quanto era avançada para a época. Arendt viveu inconformada com as realidades terrenas. Vêem-na como uma feminista moderada, acérrima crítica política, sobretudo dos totalitarismos, filósofa, teorista política,[2] e defensora dos direitos humanos. Hoje, é vítima muitas vezes de uma leitura consideravelmente deturpada de certos filósofos políticos. É, por isso, importante recorrer frequentemente às mesmas fontes onde muitos autores de hoje, pouco parciais, beberam e cuja hermenêutica, ofuscada por certas ideologias, deturpou o essencial.

Sofrendo na pele a perseguição da Gestapo, aquela mulher judia apaixonada por Santo Agostinho e o amor, conteúdo da sua tese de doutoramento, acabou por achar refúgio nos USA onde empregou a dotada capacidade académica e a inteligência ao serviço de um minucioso estudo sobre os totalitarismos. Daí a sua indignação contra as políticas e teorias sociais que comprometem a liberdade humana, a subsidiariedade, e contra as novas e singulares formas de totalitarismo, fruto de catastróficas e históricas mudanças[3] e de uma dessacralização do homem. Mesmo não sendo neutra em matéria religiosa, Arendt concebe como uma política autêntica aquela cujos elementos, embora não se identifiquem propriamente com os religiosos nem sejam exclusivos, encontram sustentação e inspiração nos livros comuns à fé daqueles que têm Abraão como Patriarca. Villa resume as propostas da filósofa: política descomprometida com instrumentalizações, promotora de uma liberdade positiva na qual os homens experimentam essa mesma condição, elevação e afirmação da estatura humana “contra aqueles que reduzem a humanidade a qualquer outra espécie animal encerrada na sua natureza e igualmente na Natureza”,[4] e enriquecimento individual, no qual cada um encontra a sua identidade no conjunto de uma grande família que constitui a sociedade.

Para Arendt, a separação Estado/Igreja acarretou uma perda de influência da religião (sobretudo católica) em questões políticas, relativamente à ascendência de outras épocas, sobretudo a medieval. Entretanto, este facto não deveria relegar a religião ao privado. Esse exagero, a autora atribui aos totalitarismos, cuja tirania “proíbe o público funcionamento de igrejas, negando ao crente espaço público no qual poderá aparecer com outros, e ser visto por eles”.[5] Ela é da opinião que a esfera política não é ferida com manifestações públicas de fé, uma vez que um individuo poderá ser religioso e ao mesmo tempo pertencer à metrópole.[6]

Na sua obra-prima The Origins of Totalitarism,[7] Arendt considera que o cambalear dos Direitos Humanos, provocado por reveses no pensamento filosófico ocidental, sobretudo ao colocar-se em questão a lei natural, levou a excessos históricos tais como as perseguições antissemitas. O homem como medida das leis, não mais sujeitas à imutabilidade filosófica ou religiosa, levou, segundo ela, a contingências e manipulações interesseiras de homens, nações ou correntes ideológicas que negligenciavam Deus enquanto medida de todas as coisas.[8] O que para Arendt degeneraria numa dessacralização do próprio homem que o distanciaria de resoluções concretas para a sua dignidade, à medida que se apartava das raízes transcendentais que inspiraram os mesmos direitos. Como ela mesma considerava, “os conceitos do homem nos quais os direitos humanos estão fundados – que ele é criado à imagem de Deus (na fórmula Americana), ou que ele é o representante da humanidade, ou que possui em si as sagradas demandas da lei natural (na fórmula francesa) – poderiam ter ajudado a encontrar uma solução para o problema”.[9]

Arendt cita a frase bíblica: “Dai a César…” (Mt 22, 21) para comentar que a liberdade nos nossos dias não é a mesma daquela que se poderia inspirar na Sagrada Escritura, ou que vive conforme Deus, mas de uma sociedade na qual ao povo preocupa-se “mais pela liberdade do que com qualquer outra coisa” o que revela uma privatização do religioso, e a uma “prova” de que propriamente “nós não vivemos publicamente num mundo religioso.[10] A teorista política defende igualmente a consciência histórica de carácter hebraica e cristã, linear, que sai fora do individualismo cíclico que caracteriza o paganismo e que jamais deveria aplicar-se à política.[11] A privatização e a falta de liberdade religiosa, o encerramento da política e das leis às raízes históricas e éticas ocidentais, uma falsa conceção ecológica, o individualismo, o totalitarismo, os direitos humanos desvirtuados de um homem enquanto imagem de Deus ou da lei natural, estas são algumas das importantes questões tratadas por ela e que são, hoje, tão atuais como Arendt.

P. José Victorino de Andrade

Adaptado e extraído da tese de doutoramento: VICTORINO DE ANDRADE, José. Aportes da Igreja à Construção de uma Sã Laicidade. Medellín: UPB, 2013.

Ver outros artigos relacionados com Hannah Arendt

___________________

[1] ISAAC, Jeffrey C. A New Guarantee on Earth: Hannah Arendt on Human Dignity and the Politics of Human Rights. In: The American Political Science Review, Vol. 90, No. 1, Mar. 1996. p. 61-73.). Também Villa é da opinião que Arendt é “widely recognized as one of the most original and influential political thinkers of the twentieth century” (VILLA, Dana Richard (ed). Cambridge Companion to Hannah Arendt. 2. ed. Cambridge: Cambridge University Press, 2002. Introduction, p. 1).

[2] “Hannah Arendt disavowed the title of ‘philosopher’, and is known above all as a political theorist. But the relationship between philosophy and politics animates her entire oeuvre” (VILLA, ibidem, p. 261).

[3] Baher, relacionando-os com a autora, enumera-os da seguinte forma: “World War I, the implosion of the Habsburg and Ottoman empires, and a global capitalist economic crisis— that brought the victory of a movement and the consolidation of a regime that was structurally different from classical dictatorship or tyrannies” (BAHER, Peter.  Hannah Arendt: Totalitarism, and the Social Sciences. California: Stanford University Press, 2010. p. 4).

[4] Arendt’s deepest philosophical passions […], and to affirm the human stature against those who reduce humanity to just another animal species locked in its nature, and locked as well in Nature” (VILLA, Op. cit. p. 147. Tradução minha).

[5] “This type of privacy in religion comes about when a tyrannical regime prohibits the public functioning of churches, denying the believer the public space in which he can appear with others and be seen by them” (ARENDT, Hannah. Between past and future: Six exercises in political thought. New York: The Viking Press, 1961. p. 70. Tradução minha).

[6] Ibidem.

[7] ARENDT, Hannah. The Origins of Totalitarism. 17 ed. New York: Meridian Books.

[8] Ver a segunda parte da obra The Origins of Totalitarism: The Decline of the Nation-State and the End of the Rights of Man. Ibidem. p. 267-304.

[9] “And in view of objective political conditions, it is hard to say how the concepts of man upon which human rights are based—that he is created in the image of God (in the American formula), or that he is the representative of mankind, or that he harbors within himself the sacred demands of natural law (in the French formula)—could have helped to find a solution to the problem” (Ibidem, p. 299-300).

[10] “The free world, however, means by freedom not: ‘Render unto Caesar […]’. The very fact that we, as far as our public life is concerned, care more about freedom than about anything else proves that we do not live publicly in a religious world” (Idem, Essays in Understanding: 1930–1954. Jerome Kohn (Ed.). New York: Harcourt Brace & Co. 1994. p. 373. Tradução minha).

[11] (Idem. Between past and future: Six exercises in political thought. New York: The Viking Press. 1961)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: