Efeitos da secularização na vida religiosa

Deus chama determinadas almas para O seguirem de uma forma radical e para determinadas missões. Foi o caso, por exemplo, dos profetas do Antigo Testamento. Também no Novo Testamento se verifica o mesmo fenômeno, originando-se nos primeiros séculos da Igreja o monaquismo: indivíduos (eremitas) ou comunidades de monges que se afastavam do mundo para se dedicarem ao serviço de Deus e à contemplação. Este movimento cresceu e purificou-se ao longo dos séculos, revestindo múltiplas formas sob regras diversas e carismas peculiares. Nas épocas de grande fervor religioso, constatou-se um grande incremento de vocações religiosas. A vida consagrada é uma forma de viver mais intensamente o Evangelho, de almejar a santidade, através da prática dos conselhos evangélicos, pela profissão dos três votos: obediência, castidade e pobreza. A sua importância na Igreja foi sempre reconhecida, pois, como lembrava São João Paulo II, a vida consagrada constitui “memória viva da forma de existir e atuar de Jesus” (Vita consecrata, n.20). Além de ser, através do testemunho de vida, um convite constante aos fiéis a aspirarem à santidade. Por isso, sempre houve um grande empenho, em todas as épocas, em fomentar as vocações religiosas.

No século XX, constata-se um crescimento das vocações religiosas até aos finais da década de sessenta, havendo então uma inflexão dessa tendência que até aos nossos dias não se inverteu. Uma das causas dessa crise vocacional parece ser um fenômeno apontado pelos últimos papas: a secularização da sociedade moderna. E a permeação da mentalidade secularista, na Igreja. Em vez de se fazer uma necessária adaptação da vida religiosa às circunstâncias modernas, conservando, porém, o espírito fundacional e a essência da vida religiosa, houve como que uma rutura e uma diluição da radicalidade com que os religiosos devem seguir a Cristo e cuja consequência foi a diminuição de novas vocações e o abandono da vida religiosa por muitos. No mesmo sentido expressou-se D. Demetrio Fernández (2009), o então bispo diocesano de Tarazona:

“Vivemos tempos de crise, também na vida consagrada. A secularização, ou seja, viver como se Deus não existisse, acomodando-se aos critérios e aos modos do mundo, penetrou também no estilo de vida consagrada. […] Parece uma contradição, mas infelizmente é assim. Uma vida consagrada na que não se esteja disposto a viver com radicalidade a entrega a Jesus Cristo, com a loucura de amor ao estilo de São Paulo, é uma vida pouco atraente e nada estimulante para os jovens de hoje. Aqui está uma das razões da escassez de vocações. […] Os Institutos que se acomodaram a este mundo não têm vocações, e vão se extinguindo paulatinamente (tradução nossa)”.

VICTORINO DE ANDRADE, José. A vocação religiosa católica: características e novidades na atualidade. Centro Universitário Ítalo-Brasileiro. São Paulo, 2009. p. 62-63. (Adaptado).

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: